Fruto da flexibilização da relação entre capital e trabalho, a jornada flexível ou móvel, nada mais é do que um modelo de gestão no qual é o próprio colaborador quem determina quando vai começar e quando vai encerrar as suas atividades diárias.

Isso não significa que a quantidade de horas exigidas não devam ser cumpridas, mas sim que tanto o local quanto o momento de finalização das atividades não são especificados, pois dependem dessa escolha e de um acordo entre a empresa e o funcionário. A ideia é dar ao profissional maior liberdade para que ele possa cumprir com suas obrigações de maneira que ele faça o seu próprio gerenciamento de tempo com entradas e saídas móveis.

Está pensando nessa solução para a sua empresa? Então, saiba mais sobre o assunto e aprenda a implantar uma jornada de trabalho flexível de forma eficiente.

Quais são os benefícios da jornada de trabalho flexível?

A jornada móvel traz ganhos tanto para os colaboradores quanto para as empresas. Para o primeiro grupo, as principais vantagens são:

  • possibilidade de adaptar seus horários de trabalho de maneira mais interessante à sua vida pessoal;
  • maior motivação para a realização das tarefas diárias;
  • maior motivação para respeitar os prazos;
  • possibilidade de evitar problemas no deslocamento, como horários de pico e eventualidades;
  • melhora na relação de confiança envolvendo patrão e empregado.

Para as empresas:

  • com a jornada flexível, o empregador pode economizar com algumas despesas que envolvem a manutenção da estrutura física do escritório;
  • aumento da produtividade da equipe, pois para que funcione, o sistema depende do respeito ao prazo por parte dos funcionários;
  • diminuição no número de atrasos e faltas, uma vez que, com a autogestão, o tempo de trabalho começa a ser contado quando o serviço efetivamente começa a ser feito;
  • retenção de talentos, pois com os colaboradores satisfeitos, a possibilidade de perder quadros importantes para a concorrência diminui.

Em resumo, a flexibilização da jornada de trabalho é uma alternativa válida para todas as empresas, em especial, àquelas situadas em cidades que têm trânsito intenso e que estão em busca de possibilidades para melhorar a produtividade dos funcionários.

Como o horário de trabalho flexível permite que os colaboradores escolham como será a própria jornada, ele se apresenta como uma solução interessante especialmente para profissionais que apresentam problemas de desempenho e de produtividade em função do horário em que atuam. Consequentemente, a jornada flexível permite diminuir a rigidez no ambiente corporativo e eliminar problemas como atrasos e absenteísmo.

Como dar início a essa prática na empresa?

Antes de flexibilizar a jornada dos colaboradores é preciso saber de que forma esse recurso pode ser colocado em prática. Existem três possibilidades para a empresa que deseja flexibilizar o horário de trabalho de seus funcionários:

  • o horário variável fixado, em que o empregado pode escolher entre os diferentes horários alternativos disponibilizados por seus empregadores, se mantendo sempre fiel à sua escolha;
  • o horário livre, em que o empregado tem a liberdade para decidir quando trabalhará, obedecendo somente aos horários núcleo definidos pela empresa;
  • o horário flexível diário, no qual o empregado pode entrar e sair do trabalho quando quiser, podendo até mudar os critérios de um dia para o outro, sem a existência de horário obrigatório de permanência ao longo do dia, mas precisa totalizar a jornada semanal estabelecida em contrato.

É importante destacar que a apuração da jornada de trabalho, para efeitos de pagamentos de horas extras, bem como de descontos de faltas, deve respeitar os acordos coletivos de trabalho válidos para as categorias envolvidas.

Como formalizar o horário flexível?

Essa opção pode ser efetivada ao ser estipulada no contrato individual de trabalho, seja pelo regulamento interno da companhia, por convenção ou acordo coletivo. A implementação deve seguir as etapas a seguir por parte da empresa.

  1. Avaliação dos setores da organização que podem adotar o horário flexível.
  2. Criação da proposta de horário flexível.
  3. Formalização do horário flexível diante do sindicato da categoria por meio de um acordo coletivo de trabalho.

É preciso ter atenção também a questões como o estabelecimento do horário núcleo, ou seja, o horário em que toda a equipe deve estar presente na companhia. Além disso, é bom lembrar que empresas que trabalham com sistema eletrônico de ponto precisam parametrizar o sistema em função de sua política de flexibilidade de horas.

Gostou do texto? Para saber mais sobre a jornada de trabalho flexível e as mudanças que estão por vir, entenda como a reforma trabalhista impacta nos processos da sua empresa!