Os softwares para gestão de processos são ferramentas indispensáveis para qualquer organização. Afinal, vivemos na era da informação, em que as empresas geram, coletam e processam um volume enorme de dados — e essa tarefa é praticamente impossível de ser realizada manualmente.

Por isso, existem sistemas de gerenciamento que acolhem os mais diversos setores da companhia, modelando e organizando os processos de forma a otimizar os resultados do empreendimento.

Pensando nisso, preparamos este post para você se familiarizar com os principais softwares de gestão de processos. Entenda como funcionam e quais são os benefícios que eles têm trazido para as empresas. Confira!

ERP — Enterprise Resource Planning

O ERP, ou Planejamento dos Recursos da Empresa, em português, é um software de gestão que reúne em uma única plataforma os dados de todos os setores da empresa. Ele serve para gerenciar todas as tarefas do negócio, desde a área administrativa até os processos operacionais.

Por meio dessa integração, as tarefas podem ser automatizadas e a gestão facilitada. Para isso, o software é geralmente fornecido em formato de módulos, sendo cada um deles responsável por gerenciar um setor da empresa, tais como:

  • financeiro;
  • comercial;
  • compras;
  • ativo;
  • faturamento;
  • contábil;
  • fiscal;
  • estoque.

Os módulos são conectados a um banco de dados único, de modo que os registros e os processos podem ser acessados e compartilhados a partir de qualquer setor, e o fluxo das tarefas pode transitar de um departamento para outro. Por exemplo, um produto vendido no comercial gera um processo que faz a separação do item no estoque.

Assim, o objetivo principal do ERP é organizar os dados da empresa sobre os clientes, funcionários, fornecedores, produtos e demais processos, e integrar essas informações. Essa integração, por sua vez, permite a automação das tarefas e a geração de dados valiosos para a tomada de decisões.

Como o ERP é um software de gestão de processos que abrange diversos setores da empresa por meio de módulos, ele tende a padronizar os processos, sendo também mais básico. Outras soluções mais específicas com mais recursos podem ser integradas a ele, como veremos a seguir.

Sistema CRM — Customer Relationship Management

CRM é uma sigla em inglês para Gestão do Relacionamento com o Cliente, e consiste em um conjunto de práticas e tecnologias que focam os esforços em aprimorar as interações com o público. Essa estratégia pode ser otimizada por meio de um sistema CRM, um software que armazena todas as informações sobre os clientes, como nome, endereço, contato, perfil, histórico de interações, produtos adquiridos e muito mais.

O objetivo é entender o comportamento dos consumidores por meio da análise dos dados e antecipar suas necessidades e seus desejos a fim de aumentar as vendas e a eficiência operacional das estratégicas de atração e retenção de clientes.

Sendo uma forma de sistema de gestão, ele tem características semelhantes ao ERP, mas é direcionado ao relacionamento com o público. Por exemplo, por meio de um CRM, você poderá:

  • registrar e gerenciar as informações sobre clientes;
  • compartilhar dados de usuários com sua equipe de vendas;
  • conectar seus representantes;
  • capturar as informações de contato de clientes;
  • automatizar a interação com leads;
  • obter dados gerenciais e insights para estratégias e tomada de decisões.

Empresas que se preocupam em desenvolver e manter um atendimento de alto padrão com seu público buscam investir em um CRM. É um sistema que não só facilita o relacionamento com o cliente, mas também ajuda a aprimorar essa interação, elevando o nível de satisfação dos consumidores em relação aos produtos e serviços fornecidos.

Gestão de Recursos Humanos

Um software de RH auxilia na gestão de pessoas desde o processo de recrutamento de funcionários até a análise do desempenho dos colaboradores após contratados. Ele é capaz de facilitar o monitoramento de tarefas mais burocráticas, como:

  • controle de frequência e pontualidade por meio do ponto eletrônico;
  • acompanhamento de calendário;
  • cálculo da folha de pagamento;
  • e-Social;
  • gestão da segurança do trabalho.

Dessa forma, as informações sobre os colaboradores são gerenciadas de modo mais eficiente, permitindo que a empresa implemente medidas de valorização e aperfeiçoamento da força de trabalho.

Realmente, não existe hoje uma empresa com processos bem definidos e otimizados sem o uso de softwares de gestão de processos. A questão, portanto, não é se eles precisam ser implementados, mas sim quais devem ser escolhidos e como tirar o melhor proveito deles.

Que tal receber mais conteúdos e ficar sempre informado? Assine a nossa newsletter para ser notificado sobre novas postagens!