Dentro da indústria farmacêutica, assim como em outros setores da economia, existe uma grande competitividade. Logo, é preciso estar atento a diversos aspectos para que sua organização tenha um crescimento financeiro robusto e saudável. E você? Sabe como deve atuar para garantir que a gestão na indústria farmacêutica ocorra da melhor forma?

Neste post nós vamos lhe mostrar quais são as técnicas, ferramentas e relatórios que devem ser observados para este processo. Também serão apresentadas as vantagens e cuidados que devem ser tomados para que seu empreendimento possa ter um diferencial competitivo frente aos seus concorrentes.

Gestão de processos

Uma das primeiras ações que o gestor de um negócio deve levar em consideração para a melhoria dos lucros é a otimização e controle dos processos. Na gestão na indústria farmacêutica que possui um ambiente altamente regulamentado e com especificidades devido ao seu ramo de atuação isto é essencial.

Entender quem são os seus principais clientes ou ainda o seu mercado consumidor, seus fornecedores e também quem são seus concorrentes trará dados importantes para a gestão dos processos da indústria farmacêutica.

Depois de mapeadas estas particularidades, pode-se dar um foco maior à área financeira do negócio. Assim, entender e definir como funciona o setor econômico, relacionado com a compra de insumos, produção e vendas auxilia no entendimento da atividade do ramo farmacêutico.

Entender este ciclo, em especial, ajuda na definição dos processos de compra, permitindo que a empresa obtenha insumos de qualidade, com os melhores preços e condições de pagamento. A gestão dos processos também permite mapear e controlar quanto tempo a empresa leva para receber, aqui entra o conceito de ciclo operacional.

O gestor também pode mapear processos e compreender o ciclo financeiro, fazendo uma boa gestão dos recursos que entram e saem. Com isso, cria-se o conceito de capital de giro, essencial para a manutenção das atividades rotineiras da indústria farmacêutica.

Implementação do fluxo de caixa

Falando em capital de giro, outra forma de controlar as disponibilidades da empresa é a implementação do fluxo de caixa. Esta ferramenta financeira e gerencial é utilizada para organizar as finanças empresariais e gerenciar os resultados da organização.

A implementação do fluxo de caixa deve ser feita com a utilização de soluções integradas e que permitam alimentar os dados em diferentes departamentos da organização. Além de deixar os processos mais rápidos, o uso de um bom sistema permite a geração de diferentes relatórios.

Assim, o gestor poderá, por exemplo, fazer a gestão da indústria farmacêutica sob diferentes pontos de vista. Poderão ser comparados os valores de forma histórica e projetada ou analisados custos e despesas em relação aos resultados.

Com base nestes valores é possível, por exemplo, fazer algumas substituições, diminuições ou cortes de gastos. Já com relação às receitas pode-se buscar alternativas para a maximização dos resultados e aumento da competitividade frente aos concorrentes.

Um bom fluxo de caixa também evita o pagamento desnecessário de multas e juros relacionados a eventuais atrasos de títulos. Isto ocorre porque, em muitos casos, simplesmente há o esquecimento em relação ao pagamento de títulos, gerando não só a saída de recursos ligados ao atraso, mas outros problemas administrativos.

Com a implementação do fluxo de caixa também existe a possibilidade de diminuição da inadimplência, já que a identificação de atrasos fica mais clara e objetiva. Logo, é possível agir de forma mais pontual e rápida, reduzindo este tipo de perda financeira.

Um bom fluxo de caixa pode fornecer, além de uma visão geral da empresa, a visão por produtos, linhas de produção ou ainda por funcionário. Com isso, o gestor poderá tomar decisões relacionadas ao mix de vendas, abandono ou incentivo de determinados produtos e desempenho dos funcionários.

Gerenciamento dos custos

Além do gerenciamento dos custos que pode ocorrer com o uso do fluxo de caixa, uma boa gestão da indústria farmacêutica pode focar nestes gastos de outra forma. Eles podem ser divididos em fixos e variáveis e, a partir deste entendimento, o gestor pode procurar soluções para a sua racionalização.

No caso dos custos fixos, por exemplo, como aqueles ligados ao aluguel, salários dos funcionários e outros que ocorrem todos os meses, é possível pensar em alternativas como negociação de valores de contratos, terceirização, entre outras que possam melhorar o resultado da organização.

Já no caso dos custos variáveis, relacionados principalmente à matéria-prima, ou seja, insumos consumidos na indústria farmacêutica, o gestor pode procurar alternativas com melhores preços e manutenção da qualidade dos produtos.

Aqui, além da política de compras, pode-se implementar uma boa gestão de estoques, evitando compras em excesso, que geram custos de estocagem ou perdas relacionadas a materiais perecíveis. Deve-se lembrar também dos estoques mínimos para que a indústria não fique sem estoques para a produção.

O gerenciamento dos custos também ocorrerá com o uso da tecnologia, já que ela evita erros e retrabalhos dos funcionários do administrativo. Uma vez que um sistema integrado de gestão é implementado, também são reduzidas as horas consumidas na atividade administrativa, gerando economias e permitindo o foco em outras áreas do negócio.

A logística também pode ser outra forma interessante de diminuição de custos. Deve-se procurar soluções que atendam às necessidades da indústria farmacêutica, mas que permitam a redução dos gastos de forma inteligente e racional.

Você acabou de ver alguns passos para garantir uma boa gestão na indústria farmacêutica. É preciso conhecer, controlar e gerenciar processos. Entender como a empresa funciona, seus diferentes ciclos e como a organização pode buscar o equilíbrio financeiro. Outra grande aposta é o fluxo de caixa e suas diferentes aplicações, que devem contar com o uso da tecnologia para alavancar suas análises e possibilidades.

Os gestores também devem ficar de olho nos custos da indústria farmacêutica, trabalhando efetivamente em seu reconhecimento e gerenciamento. Estes gastos estão relacionados à atividade principal, representados pelos insumos e mão de obra, estoques e também possuem relação com a atividade administrativa e de logística. Compreender seus comportamentos, fazer projeções e trabalhar para sua redução deve fazer parte da gestão na indústria farmacêutica e trará excelentes resultados para as organizações do ramo.

E aí, gostou deste post? Que tal seguir nossa página nas redes sociais — YouTube, Twitter, Facebook e Linkedin — e ficar por dentro de mais novidades na área de gestão?