Segundo a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), o setor portuário brasileiro movimentou 1,086 bilhão de toneladas no ano passado, com um crescimento de 8,3% em relação a 2016. O modal marítimo é a principal forma de transportar cargas pesadas e segue na busca de mais eficiência com o uso da tecnologia, como no caso da Agemar, holding referência no Nordeste em Infraestrutura e Logística, que melhorou seus controles e alcançou uma redução de custos com uma exclusiva solução desenvolvida pela Procenge.

A empresa precisava ganhar mais agilidade em suas operações, e ter um controle mais efetivo dos custos de cada operação, devido à complexidade dos gastos envoltos no processo. “Todos esses custos são rateados proporcionalmente ao peso das mercadorias de cada cliente envolvido na viagem. Esses cálculos costumavam ser feitos de forma alheia ao ERP, tornando o processo lento e passível de erros”, explica o analista de processos e sistemas da Agemar, Paulo Henrique Cavalcanti.

Para resolver essa situação, a Procenge em parceria com a Agemar, elaborou um sistema de custeio e rateio das operações, totalmente personalizado, desenvolvido com a plataforma de integração e automação de processos, HubTool, e integrado ao ERP Pirâmide. Todos os custos de cada processo operacional são lançados no sistema e distribuídos proporcionalmente entre os clientes de forma automática. A integração com o ERP Pirâmide facilita a troca de informações, busca dados do cadastro dos clientes e serviços, e inclui títulos de contas a pagar e a receber. Entre os benefícios alcançados, estão maior agilidade no processo, segurança, facilidade de expansão da aplicação e redução de erros.

As ferramentas da Procenge eliminaram redundâncias de processos, automatizaram rotinas, reduzindo a margem de erro nas execuções, aumentando a produtividade da operação, segundo Bruno César Gerente Administrativo da Agemar. “Por meio de um único comando conseguimos gerar a documentação de suporte a cobrança, por completo, processo que antes era feito individualmente e fora do sistema”, detalha. “Tudo isso possibilitou ganho de performance e agilidade no processo de faturamento e repasse de custos inerentes, e, além disso, possibilitou a redução de custos consideravelmente”, diz.