Para o crescimento da empresa, é fundamental ter capital disponível para investir. Ter recursos para aplicar no desenvolvimento do seu negócio possibilitará a elaboração de melhores planejamentos a respeito dos produtos e serviços a serem lançados no mercado.

Além disso, permitirá melhorar a infraestrutura do estabelecimento empresarial (incluindo a aquisição de equipamentos e tecnologias mais avançadas), realizar novas contratações, expandir o portfólio e explorar novos mercados.

A crise econômica enfrentada pelo país afetou muitos empreendimentos. Em razão disso, é comum que as sociedades empresárias, por si só, não tenham recursos suficientes para investir no desenvolvimento do negócio. Nesses casos, a captação de investimento externo pode ser uma saída para o crescimento da companhia.  

Quando o tema é angariar recursos de terceiros, muitos empresários não sabem o que fazer. Por isso, acabam tendo muitas dificuldades na hora de atrair os investidores. Antes de sair à procura de capital, a primeira coisa que um empreendedor precisa ter em mente são os tipos de investimentos disponíveis e como cada um deles pode contribuir para o desenvolvimento da companhia.

Por isso, separamos este artigo para você. Confira!

Quais são os tipos de investimento disponíveis para as empresas?

Os recursos empregados em um negócio podem ser provenientes de fontes internas ou externas. Com base nisso, os valores oriundos dos investimentos são denominados capital próprio ou capital de terceiros.

O primeiro, comum a todos os tipos de empreendimentos, é aquele que provém dos próprios sócios e acionistas da empresa. Quando a sociedade empresária utiliza esse tipo de capital, ela está se valendo de recursos associados ao seu patrimônio líquido.  

Por sua vez, o capital de terceiros é o proveniente de recursos disponibilizados por entidades externas, por exemplo, empréstimos e financiamentos. Ele está relacionado ao passivo real ou passivo exigível, ou seja, às obrigações da empresa em relação a terceiros. Nesses casos, os recursos precisam ser devolvidos aos investidores depois de um tempo.

Agora que você já sabe a diferença entre os dois, conheça os tipos de investimento que a sua empresa pode utilizar.

Como captar investimento externo para a sua empresa?

As opções disponíveis são muitas. Conhecê-las é fundamental para identificar a mais adequada ao perfil da sua empresa. Vejamos!

Linhas de fomento

São programas instituídos pelo governo para fomentar o desenvolvimento empresarial e tecnológico no país por meio do fornecimento de recursos financeiros por instituições públicas. Atualmente, até mesmo algumas instituições privadas oferecem esse tipo de patrocínio.

À primeira vista, esse tipo de investimento não é fácil de se conseguir, todavia, é uma ótima opção para os empreendedores. Para ter acesso aos recursos de agências de fomento, é necessário demonstrar que o projeto da sua empresa contribui de alguma forma para o desenvolvimento do país.

Apesar de existirem várias agências que conferem esse tipo de incentivo, as mais conhecidas são: o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP).

O primeiro abarca todos os segmentos da economia, principalmente, indústrias, agricultura, serviços, comércio e infraestrutura. Por sua vez, a FINEP é voltada ao financiamento de empreendimentos que têm ideias inovadoras, seja na área científica ou tecnológica.

Empréstimos bancários

O financiamento por instituições financeiras também é uma opção para angariar capital para o seu negócio. Entretanto, é preciso tomar cuidado! Fique sempre atento a todas as cláusulas contratuais do empréstimo, principalmente, as taxas de juros e forma de pagamento.

Pesquisar as condições oferecidas por cada instituição bancária pode ajudar a escolher a mais vantajosa. Além das instituições de varejo, há bancos de investimento. Normalmente, eles liberam uma quantidade maior de capital com melhores condições de pagamento, incluindo taxas de juros menores.

Abertura de capital

Também muito comum no mercado, a abertura de capital consiste na atração de investidores por meio da comercialização de valores imobiliários, tais como, ações, debêntures e bônus de subscrição. Para obter recursos por meio desse tipo de investimento, a empresa precisa realizar uma oferta pública inicial (IPO – Initial Public Offering). A partir disso, ela poderá comercializar seus títulos de crédito.

É como se os sócios renunciassem a parte da sociedade empresária para vendê-la a terceiros, seja por meio da alienação de ações em corretoras ou na bolsa de valores. Com isso, os adquirentes dos títulos passam a fazer parte do corpo de acionistas da companhia. Em compensação, a empresa adquire dinheiro para investir em seu desenvolvimento, uma vez que seu capital próprio aumentará.

Apesar de trazer inúmeras vantagens (aumento de recursos, maior liquidez patrimonial, prestígio no mercado, etc.), a abertura de capital também tem alguns pontos negativos, por exemplo, o elevado custo inicial com a IPO e com as auditorias das demonstrações financeiras, a necessidade de manter uma diretoria voltada para as relações com os investidores, o aumento do controle interno e do quadro societário.

Outra coisa que você precisa ter em mente antes de optar por esse tipo de investimento é que os novos acionistas têm direito aos dividendos, justamente por isso adquiriram os títulos imobiliários. Logo, essa forma de captação de recurso é mais apropriada para as empresas que almejam se tornar de grande porte.

Qual a importância do capital externo para a empresa?

Toda empresa precisa de recursos para sobreviver às intempéries da economia e ganhar espaço no mercado. Ter capital disponível, seja ele próprio ou de terceiros, é fundamental para que a sociedade empresária consiga investir no seu desenvolvimento e se sustentar, mantendo o equilíbrio entre a liquidez, o endividamento e a rentabilidade.

Nesse cenário, o capital externo se revela como um importante aliado do empresário, uma vez que o negócio dificilmente possui recursos próprios para sustentar as aplicações necessárias ao seu crescimento.

O investimento externo possibilita que o empreendedor tenha mais facilidade na hora de efetuar planejamentos, principalmente, os relacionados à criação e ao desenvolvimento de novos projetos, à expansão do portfólio e à elaboração de estratégias para conquistar espaço no mercado, uma vez que a disponibilidade de capital deixa de ser um problema. Além de disso, a sociedade empresária que obtém recursos de terceiros passa uma boa imagem e tem melhores condições na aquisição de outros créditos.

Agora que você já sabe como o investimento interno pode ajudar no crescimento da sua empresa, que tal assinar nossa newsletter para ficar por dentro de assuntos relacionados à gestão empresarial integrada?